Carico

Carlos Alexandre Dumont, o Carico, nasceu em Araxá, Minas Gerais e mudou-se com a família para Belo Horizonte aos dez anos. Foi em meio às construções da planejada capital mineira que Carico sentiu despertar em si o interesse pelos traços e pelas formas das edificações. Ingressar na Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais foi, portanto, um caminho natural.

Ainda como estudante, Carico viveu uma das experiências que considera como das mais significativas para o início de sua carreira: foi membro de um escritório coletivo formado por um designer - Thales Pereira -, seis estudantes de arquitetura e Cid Horta, que já era arquiteto formado e foi uma verdadeira fonte de inspiração e referência para aquele grupo, especialmente para Carico. Além de ser um projeto efervescente e rico em troca de experiências e ideias, o escritório coletivo, batizado de Rua Pernambuco Mil, em referência ao endereço do local, também foi fundamental para que os profissionais envolvidos pudessem dar início às suas respectivas carreiras.

Um dos primeiros trabalhos que Carico realizou após concluir a faculdade, em 1982, foi justamente o projeto de uma loja que havia sido iniciado por Cid Horta. Devido à divergência de ideias com a marca que seria comercializada na loja, Cid acabou abandonando o projeto, ficando a cargo de Carico dar continuidade. Naquele momento, o senso de oportunidade de Carico soou o alarme e ele identificou um filão: executar projetos de lojas era, até então, um trabalho relegado pela arquitetura. Ao abarcar esse tipo de atividade Carico conseguiu fazer seu nome circular e trabalhar em importantes projetos.

Em 1988, o arquiteto foi contratado para executar o projeto de três lojas para o Grupo Mineiro de Moda, que nos anos 80 era uma referência em moda para todo o Brasil. Aqueles projetos ainda hoje são considerados um divisor da águas na carreira do arquiteto que, pela primeira vez, pode criar sem amarras, sem seguir padrões, deixando a criatividade à flor da pele.

Deu certo? Os números respondem. De lá para cá foram 1950 projetos de lojas executados por Carico, entre centenas de outros residenciais. Em todos eles, o arquiteto que admira Oscar Niemeyer, Paulo Mendes da Rocha, John Pawson, Claudio Silvestrin, David Chipperfield entre outros, deixa sempre seu traço inconfundível. Uma marca registrada? De forma alguma. Para Carico, marcas registradas apenas limitam a imaginação dos profissionais e cada novo projeto seu é uma reinvenção. Os projetos de Carico não têm marca registrada, pois cada um é único e especial. Os projetos de Carico têm personalidade.